Meu filho pode estudar e treinar nos US?

13 de setembro de 2016

A nossa história começou com essa pergunta, em meados de 2012. Uma amiga da Thaís, minha filha, contou que estava indo treinar e estudar por 1 ano na Flórida.

A situação financeira dela era bastante diferente da nossa (MUITO melhor), mas mesmo assim resolvi dar uma olhada nas possibilidades… Afinal, sonhar não custa nada…

Entrei em contato com a Evert Tennis Academy, em Boca Raton.  O site deles tem bastante informação, e depois de me inteirar sobre a proposta, entrei em contato por email.

Trocamos algumas mensagens, e enviei um vídeo de drill da Thaís. Eles disseram que tudo indicava que ela pudesse ser admitida no programa, mas que gostariam de conhece-la pessoalmente.

Estávamos no mês de setembro, e em dezembro tínhamos uma viagem de férias agendada para os US. A princípio, combinei que iríamos encontra-los pessoalmente nessa oportunidade.

Em resumo, a proposta da ETA era a de um programa com hospedagem na própria academia, escola particular e treinos.

Os valores em dólares americanos eram:

Com alojamento Sem alojamento
Tennis 39250 25500
Escola 18000 15000
TOTAL 57250 40500

Logo depois dessa pesquisa, houve uma feira de intercâmbio aqui em Curitiba.

Nessa feira, a maior parte das opções era relacionada simplesmente a cursos de inglês. No entanto, uma das empresas nos apresentou uma possibilidade que nos pareceu bastante interessante: curso de inglês para mim ou meu marido, e escola pública + treinamento de tênis para a Thaís.

Nós tínhamos o sonho de fazer um período sabático… Então, conciliar tudo isso de uma vez atraiu muito a nossa atenção.

Em linhas gerais (que detalharei nos próximos posts), a oferta era:

– visto de estudante F1 para mim ou meu marido; poderíamos fazer uma pós, MBA, ou um curso de inglês com carga horária semanas de pelo menos 20 horas semanais;

– visto de dependente do F1 para os outros familiares. Esse visto não permite que o outro cônjuge trabalhe, mas permite que os filhos sejam regularmente matriculados em uma escola pública, sem nenhum custo.

Ou seja, eu ou meu marido faríamos um intercâmbio pago, e a Thaís teria a escola gratuita.

Muitas planilhas depois, chegamos à conclusão que iríamos fazer o intercâmbio familiar.

A decisão de quem faria o curso foi fácil, já que eu estava grávida, com data provável do parto em 27/03/2013. Então, optamos pelo curso de inglês para o Adriano.

Aí tínhamos que decidir em  qual cidade gostaríamos de morar.

Nas minhas pesquisas, me pareceu que Miami tinha mais opções de treinamento de tênis, mas depois vimos que Orlando seria uma ótima opção também.

Aproveitamos a viagem de 12/2012 para encontrarmos o treino, um apartamento para alugar, e conhecermos a cidade fora do eixo Disney-Universal.

Em 19/01/2013, estávamos todos prontos para a nova experiência que foi recompensadora para todos.

Ficamos em Orlando até 02/2014, e retornamos ao Brasil com o sentimento de quero mais…

Será um prazer compartilhar com vocês todos os detalhes dessa jornada.

O próximos post tratará do 1º e mais importante passo: o visto F1.

Abs!